Weby shortcut 1a5a9004da81162f034eff2fc7a06c396dfddb022021fd13958735cc25a4882f
Youtubeplay db0358e6953f0d0ec2cd240bca6403729d73b33e9afefb17dfb2ce9b7646370a
Moodle

Notícias

Opções Avançadas   Busca exata   Todas as palavras   Qualquer uma das palavras
Erro aleatório ou resíduo
Em 13/09/2017 às 13:13

Ao ajustar um modelo de regressão linear pelo método dos mínimos quadrados ordinários (MMQ) lembre-se de observar a distribuição gráfica dos resíduos e a soma dos quadrados dos resíduos (SQR). Graficamente os resíduos devem estar próximos ao zero e uniformemente distribuídos. Use sempre a distribuição em porcentagem em relação à media, isso facilita a interpretação. Se houver desvios na distribuição gráfica tente usar uma transformação logarítmica ou raiz quadrada para garantir a uniformidade da distribuição ao longo do eixo X. Já a soma de quadrados dos resíduos (SQR) informa o tamanho do erro cometido ao se utilizar o modelo para estimar valores desconhecidos.

Em tempo: se o seu modelo tem mais do que uma variável explicativa (independente), não é possível plotar o ajuste da linha em um plano bidimensional. 

Saudações!

Prof. Fábio Venturoli

Amostragem estratificada em inventário florestais
Em 23/08/2017 às 10:33

A amostragem estratificada funciona como um controle local. É o mesmo fundamento da blocagem em experimentação científica, em que cada estrato deve ser tratado como um bloco de um experimento. Neste casos, nas análises, elimina-se o efeito do bloco ou do estrato, o que traz vantagens nos resultados. A principal vantagem é a redução da variância amostral, que fica dividida em vários componentes. Cada bloco ou estrato terá a sua própria variância e vai corresponder a uma componente na análise.

Em termos mais práticos você pode usar a amostragem estratificada quando você tem diferentes tipologias florestais, como mata e cerrado. Uma mata mais densa e outra mata mais aberta. Em plantios você pode estratificar pela idade, cada idade sendo um estrato. Há ainda a estratificação por idade em matas nativas, quando se analisa a regeneração natural, colocando as plântulas, arvoretas e árvores, cada uma em um estrato.
As análises serão as mesmas de uma amostragem aleatória simples. Serão produzidos intervalos de confiança para cada estrato e depois pode-se fazer uma média ponderada pelo tamanho de cada estrato e estimar um intervalo de confiança total.
Saudações florestais!
Prof. Fábio Venturoli

Cada variável produz a sua própria dimensão espacial
Em 07/08/2017 às 15:07

Note que cada variável produz uma dimensão no espaço e, portanto, isso faz com que os modelos de regressão múltipla obrigatoriamente envolvam um espaço tridimensional ou com mais do que três dimensões. Neste caso, é impossível visualizar a dispersão de pontos (variáveis) em um único plano.

Ao ajustar um modelo e gerar um equação, tenha cuidado para não tentar representá-lo em um plano (duas dimensões). Isso está errado e pode levar a uma reprovação diante de uma banca avaliadora. A dica é a seguinte: se você tem mais do que duas variáveis independentes produza uma equação e apresente somente a distribuição gráfica residual como uma porcentagem do valor real (nuvem de pontos não relacionado às variáveis explicativas). Ao comparar equações que tenham diferentes números de variáveis independentes use o R²-ajustado (corrigido pelo número de var. independentes) e o erro padrão também em porcentagem. Não se especialize em rodar programas estatísticos. Procure estudar os fundamentos do métodos e siga em frente! Seja o responsável pelas suas análises.

 

Saudações florestais!

Prof. Fábio Venturoli

Você sabe o que é uma floresta?
Em 06/07/2017 às 08:54

Adotar um conceito que seja aplicado mundialmente confere segurança às informações produzidas em diferentes países. A FAO define Floresta da seguinte forma: "Área medindo mais de 0,5 hectares com árvores maiores que 5 metros de altura e cobertura de copa superior a 10%, ou árvores capazes de alcançar estes parâmetros in situ. Isso não inclui terra que está predominantemente sob uso agrícola ou urbano.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS (FAO). Global Forest Resources Assessment 2015 - Main report. Rome, 2015.

 

Saudações Florestais!

 

 

TREED 2017
Esta no ar: Revista TreeDimensional, vol. 2, n. 3, 2017.
Em 30/06/2017 às 17:53

Confira os artigos publicados na nova edição da Revista Científica TreeDimensional.   

Dicas para validação de modelos
Em 29/06/2017 às 14:19

Para validar uma equação você para aguardar o futuro e checar se o seu ajuste é válido, relacionando o previsto com o mensurado. Pode selecionar uma parte dos dados para usar na equação ajustada e checar a confiabilidade das estimativas, ou pode ajustar novos modelos (999 ou mais vezes) por meio de reamostragens dos seus dados originais e calcular um intervalo de confiança para os coeficientes (Betas) da equação. Se o intervalo for estreito, a um determinado nível de confiança, o seu modelo é válido. Quer saber mais? Procure o ProFloresta.

Saudações Florestais!

Prof. Fábio Venturoli

 

Use a regressão linear em inventários florestais
Em 13/06/2017 às 09:34

Em uma regressão linear pelos mínimos quadrados ordinários ou generalizados considere as seguintes hipóteses antes de ajustar um modelo:

  1. modelo de regressão linear;
  2. valores de X independentes do termo de erro;
  3. valor médio do termo de erro igual a zero;
  4. homocedasticidade dos termos de erro;
  5. ausência de autocorrelação entre os termos de erro;
  6. número de observações maior do que o número de parâmetros estimados;
  7. variabilidade na variável dependente;
  8. ausência de multicolinearidade.

Saudações florestais!

Prof. Fábio Venturoli – 13/06/2017

(Dica 09/2017)

http://profloresta.agro.ufg.br

Conceito de Inventário Florestal
Em 06/05/2017 às 09:16

Inventário Florestal pode ser definido como um levantamento quantitativo e qualitativo dos recursos florestais, em um determinado espaço-tempo e estatisticamente representativo da população.

Saudações florestais!

Prof. Fábio Venturoli – 06/05/2017

(Dica 08/2017)

http://profloresta.agro.ufg.br

VI turma do Curso de Inventário Florestal, em São Luís/MA. O curso aconteceu na Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Maranhão, no dia 3 de maio de 2017.
VI turma do Curso de Inventário Florestal
Em 04/05/2017 às 09:24

VI turma do Curso de Inventário Florestal, em São Luís/MA.

O curso foi promovido pela Preserv Consultoria Ambiental, uma iniciativa da Eng. Ambiental Pollyanna Câmara, e aconteceu na Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Maranhão, no dia 3 de maio de 2017. O objetivo foi discutir termos e referências técnicas para a instrução dos inventários florestais realizados no estado. Foram oito horas de discussões sobre o assunto! As fotos são de Thamilly Braz .

Veja a publicação oficial da SEMA_Curso_de_Inventário_Florestal

 

Os arquivos mencionados no curso encontram-se disponíveis para download nos links abaixo.

Carbono Zero no Século XXI
Carbono Zero no século XXI
Em 19/04/2017 às 21:15

O ProFloresta lançará em maio de 2017 o projeto Carbono Zero no século XXI. O projeto envolve a neutralização de emissões de gases de efeito estufa por meio do reflorestamento e da restauração florestal no Cerrado. O objetivo é mapear áreas degradadas, identificar os níveis de degradação locais e traçar estratégias para o reflorestamento ou a restauração florestal. O projeto será desenvolvido em parceria com empresas privadas, indústrias, pessoas físicas e profissionais liberais, interessados na neutralização das suas emissões de gases de efeito estufa. O projeto prevê o inventário de emissões de gases de efeito estufa e a execução da ação necessária à sua neutralização, com a emissão de certificados de neutralização de carbono equivalente.

O lançamento do projeto está previsto para maio de 2017.

Agende-se!

Amostragem Estratificada
Em 17/04/2017 às 08:32

Quando o inventário florestal é feito em populações heterogêneas em relação à idade, material genético, espécie, cobertura florestal, volume, densidade ou  por fatores ambientais, o procedimento correto é subdividir esta população em subpopulações homogêneas. Isto reduz a intensidade amostral, os custos e o tempo de campo, garantindo uma alta precisão nos resultados. Este é o processo de Amostragem Estratificada.

Um teste t-Student pode ser feito entre os estratos para checar a significância estatísticas da heterogeneidade e confirmar a eficiência da estratificação. 

Saudações florestais!

Prof. Fábio Venturoli – 17/04/2017

(Dica 07/2017)

http://profloresta.agro.ufg.br

População Finita versus População Infinita
Em 06/04/2017 às 12:52

Ao considerar o uso de fórmulas matemáticas para o cálculo da suficiência amostral de um Inventário Florestal, atente-se ao fato de que os inventários florestais, amostrais, geralmente envolvem o conhecimento do tamanho da população inventariada. Isso implica no uso de uma fórmula que considera a população finita, com vantagens no tamanho da amostra em relação à população infinita. Se você sabe o tamanho da sua floresta, use sempre a fórmula da população finita, não importando a fração amostral.

Por outro lado, se você está estudando um determinado número de árvores de uma única espécie dentro de uma floresta, geralmente você não conhece o tamanho desta população e, neste caso, use sempre a fórmula do população infinita.

Essa diferença pode representar economia de recursos, tempo de campo...

Saudações!

Prof. Fábio Venturoli

 

Sobre o Inventário Florestal
Em 16/03/2017 às 21:32

Hoje começou o curso de Inventário Florestal. Vimos que o objetivo é produzir informações qualitativas e quantitativas das florestas por meio da amostragem.

Prof. Fábio Venturoli

III Prêmio Semeador ProFloresta - 2017
III Prêmio Semeador ProFloresta - 2017
Em 16/03/2017 às 15:35

Foi lançada a terceira edição do Prêmio Semeador ProFloresta - 2017.

 

O Edital estará disponível em breve, mas não perca as suas sementes. Comece a coletar!

 

Participe!

Sobre a Distribuição Normal
Em 15/03/2017 às 14:59

Você conhece a Distribuição Normal? Tente responder as questões abaixo:

1. Quais são as propriedades da distribuição normal?

2. O que é uma variável normal padronizada?

3. Com se lê a seguinte notação e o que ela significa? X~N(0,1)

4. Suponha que 'X~N(8,4)'. Qual a probabilidade de que X assumirá um valor entre 4 e 12?

 

Nos envie a sua resposta por e-mail: profloresta.agro@ufg.br (Os três primeiros que acertarem todas as respostas receberão um exemplar do nosso livro de recuperação de áreas degradadas).

Em breve compartilharemos dicas sobre a Distribuição Normal e o gabarito das questões.

Saudações florestais!

Prof. Fábio Venturoli

Sobre amostras independentes
Em 23/02/2017 às 13:00

Você com certeza já ouviu falar que para realizar um determinado teste estatístico, ANOVA, por exemplo, é obrigatório que as amostras sejam independentes.

Independência significa que o resultado referente à variável mensurada em uma amostra não tem nenhum efeito sobre o valor da mesma variável, mensurada em uma outra amostra. Por outro lado, considere duas amostras da mesma variável sendo obtidas dos mesmos objetos, mas em ocasiões distintas/sucessivas. Neste caso, há dependência entre as amostras, uma vez que os valores mensurados na segunda ocasião são dependentes dos valores mensurados na primeira ocasião.

Prof. Fábio Venturoli

tempo
Sobre a curva espécie versus tempo
Em 20/02/2017 às 10:51

É muito comum que a suficiência amostral para a riqueza florística de um inventário florestal seja feita a partir da curva de rarefação entre a área amostrada e o número de espécies encontradas. Porém, além desta técnica, pode-se usar uma curva de rarefação entre o número de espécies amostradas e o tempo de inventário. Isso é feito em levantamentos florísticos rápidos, sem rigor com parcelas como unidades amostrais. Neste caso, as unidades amostrais passam a ser um determinado tempo de deslocamento pela floresta, sendo anotadas as espécies novas a cada intervalo x de tempo. Ao final faz-se a avaliação do número de espécies novas na medida em que ocorre o inventário.

 

Esta metodologia foi adotada por James Ratter, Samuel Bridgewater e José Felipe Ribeiro na amostragem de espécies lenhosas do Cerrado sentido amplo em 170 localidades do bioma Cerrado. O trabalho está publicado no Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer, v. 7, p. 5-112, 2001. A figura abaixo faz parte dos resultados do trabalho e corrobora a técnica adotada como forma de garantir a suficiência amostral do Cerrado. 

 

Abs. Prof. Fábio Venturoli 

 

tempo

Sobre Análises Estatísticas Multivariadas
Em 16/02/2017 às 07:45

Em geral existem dois grupos de análises multivariadas. Um deles é compreendido pelas técnicas exploratórias de sintetização da variabilidade dos dados, o que permite a inferência estatística. Neste grupo estão as análises de componentes principais, análises de correlação canônica, análise de correspondência, análise discriminante e análises de agrupamentos. No segundo grupo ficam as técnicas relacionadas à estimação de parâmetros, teste de hipóteses, análise de variância e regressão.

Veja a melhor forma de analisar os seus dados considerando uma análise exploratória. A partir dela elabore a sua hipótese,porém, lembre-se que o delineamento experimental e a hipótese são definidos antes da coleta dos dados.

Abs.

Prof. Fábio Venturoli

 

FÓRUM 2
Fórum de Governadores do Brasil Central
Em 03/02/2017 às 13:53

O Prof. Fábio Venturoli participou na noite do dia 02 de fevereiro de 2017, no Palácio do Governo de Goiás, da cerimônia de assinatura do documento criando a Reserva Particular de Desenvolvimento Sustentável Legado Verdes do Cerrado (Reservas Votorantim). A reserva possui 32 mil hectares e está localizada no município de Niquelândia, Goiás. A área será destinada à pesquisa científica e uso sustentável do solo.

 

Participaram da mesa da solenidade, além do Prof. Fábio Venturoli, o Diretor da Reservas Votorantim, David Canassa, e mais cinco governadores dos estados do Centro-Oeste do Brasil, Marconi Perillo (GO), Reinaldo Azambuja (MS), Marcelo Miranda (TO), Rodrigo Rollemberg (DF) e Pedro Taques (MT). O Governador de São Paulo Geraldo Alckmin foi o convidado de honra e, na ocasião, assinou a ordem de serviço para o início das obras de aprofundamento do Pedral de Nova Avanhandava, na Hidrovia Paranaíba-Tietê-Paraná, com valor de R$ 300 milhões. Alckmin também endossou o protocolo de intenções que institui o Legado Verdes do Cerrado. "Marconi é nosso professor, o governador do desenvolvimento e da inovação", disse.

 

O ProFloresta fica muito feliz com o desenvolvimento científico do estado de Goiás por meio de mais esta parceria.

 

 

parcelas
Tamanho e forma de parcelas
Em 01/02/2017 às 22:51

Considerando que neste semestre ministrarei a disciplina de inventário florestal,relembro uma questão de prova bastante comum:

Qual seria a vantagem de usar parcelas circulares ao invés de parcelas retangulares com área de 600m² em um inventário florestal?

Os estudantes que se ligam em nossa newsletter nunca erram, pois sabem perfeitamente que parcelas circulares possuem menor perímetro em relação às parcelas quadradas ou retangulares, para uma mesma área. Isso implica em menor efeito de borda, em menor chande de erro pela decisão sobre incluir ou não uma árvore na parcela. Porém, elas são mais difíceis de serem alocadas no campo, nas florestas nativas, em razão da presença de sub-bosque e do espaçamento irregular das espécies arbóreas mensuradas.

Tem muito mais na sala de aula...

Saudações florestais

Prof. Fábio 

 

 

 

 

Seleção para Estágio
Seleção para Estágio no ProFloresta
Em 25/01/2017 às 11:38

Para se inscrever na seleção responda o questionário abaixo.

As inscrições vão até o dia 10 de março de 2017 e os resultados saem a partir do dia 14 de março. 

Dica de estatística: barras de erro
Em 24/01/2017 às 18:08

Dica para evitar gráficos ruins

  1. As Barras de Erro devem ser apresentadas somente quando:
    • O tamanho da amostra for maior do que quatro
    • O experimento for repetido independentemente, nunca para repetições. (Isso é igualmente aplicado ao boxplot)
  2. A legenda deve incluir as seguintes informações:
    • Uma descrição do que a barra de erro representa
    • O tamanho da amostra
    • A base utilizada na construção da barra de erro (amplitude, desvio padrão, erro padrão, intervalo de confiança)
    • Ao utilizar o intervalo de confiança apresente também o nível de confiança.

Fonte: Good, P. I. 2012.

Academic Integrity
Em 23/01/2017 às 15:44

What is Academic Integrity?

 

É sempre bom poder relembrar esses conceitos:

Visitem o site abaixo, por favor.

 

https://provost.asu.edu/academic-integrity

 

Abs.

Prof. Fábio Venturoli